Perguntas Frequentes

1.O Retorno das Árvores (RdA) já existia?
Assim, organizado num sistema de faixas florestais quebra-vento, ainda não. Lavouras e árvores (quase) sempre foram plantadas separadamente. Mas o RdA é formado de elementos que vieram de outras experiências. Os sistemas agroflorestais (SAF ‘s) e Sistemas silvo-pastoris são importantes referências, mas suas referencias mais profundas estão na concepção de organismo agrícola que Rudolf Steiner apresenta ao longo do assim chamado curso agrícola. Cuja verdadeira raiz está na visão orgânica de Goethe, na sua ideia do organismo primordial.

 2. Por que os agricultores não querem plantar árvores?
Geralmente os agricultores olham as árvores como um problema, preferem ter lavouras sem árvore alguma. Até porque atrapalham as pulverizações, as longas hastes dos pulverizadores se enroscam na vegetação arbóreo-arbustiva). É comum pensarem que “plantar árvore” é coisa de silvicultor, de “pica-pau” (profissional florestal). Também por conta de aspectos repressivos da legislação ambiental, os agricultores preferem ter lavouras de um lado e florestas do outro. Lembrando que o povo brasileiro pouca cultura florestal (com exceção dos povos indígenas), não plantamos nada que uma outra geração possa colher

3. RdA é semelhante a um Sistema Agroflorestal?
O RdA não é SAF! Não propõem mesclar as árvores por toda lavoura, como se faz num SAF. O RdA quer implantar faixas florestais cercando as lavouras, criando um microclima mais apropriado e gerar produtos florestais em faixas marginais.

4.O Retorno das Árvores é semelhante à Permacultura?
Um pouco, mais pelas árvores que pelo sistema de produção. O RdA foi concebido para agricultura comercial, enquanto a Permacultura está mais voltada ao auto abastecimento e a um novo urbanismo.

5. E a competição lavoura x árvores?
Sim, próximo das faixas florestais a lavoura produz menos, mas no grande centro, em 80% de sua extensão, a lavoura protegida do vento produz mais, pois há maior disponibilidade de água para transpiração e fotossíntese. Via de regra cercar uma lavoura com faixas florestais gera um aumento de produção da ordem de 15%. Uma grande vantagem!

6. O que é efeito bordadura?
Eis uma grande vantagem de se plantar árvores em faixas, ao invés do tradicional plantio em bloco fechado. As faixas florestais constituídas de até 3 linhas de árvores, aproveitam a luz que incide lateralmente, e as árvores chegam a produzir de 2 a 3 vezes mais que aquelas plantadas em bloco, no qual incide apenas a luz que vêm de cima. Isto faz com que a produtividade florestal de uma faixa circundando 1 ha seja próximo de 60% da produtividade florestal do hectare se fosse plantado inteiro! Sendo que o miolo deste hectare está livre para produção agropecuária. Isto sim é vantagem!

7. Quais outras vantagens de se mesclar faixas florestais com lavouras?
A principal delas é o controle biológico natural. As faixas criam o nicho (abrigo e alimentação) necessário para avifauna, morcegos e aranhas, todos predadores naturais de insetos e pragas. A outra vantagem é o abrigo a uma grande variedade de abelhas e outros agentes de polinização, importantíssimos para o pegamento de frutos e legumes!

8. O que é residência da água?
Todos conhecemos o ciclo da água, como ela evapora, é transpirada, se transforma em nuvem, depois cai virando chuva, penetra no solo, volta a evaporar/transpirar e assim por diante. O RdA promove justamente uma redução da evaporação a favor da transpiração. As plantas cultivadas transpiram mais e melhor, pois estão protegidas das rajadas de vento, resultando em mais fotossíntese. Água evaporada é água perdida, água transpirada promove assimilação, é biologicamente útil. Uma boa estrutura de faixas quebra-vento equivale a 1/3 de uma boa irrigação! Por isso se pode dizer que a água reside mais quando está guardada entre as faixas do que fora delas. Mesmo sendo móvel a água permanece no sistema por mais tempo. As faixas florestais ajudam até na melhor captação desta água, diminuindo enxurradas, evitando a erosão, principalmente quando são plantadas em nível.